sexta-feira, 4 de agosto de 2017

A situação da CPAS.

Estou extremamente preocupado com o que se está a passar com a Caixa de Previdência da nossa Ordem. Sempre achei que a aprovação do novo regulamento — mais uma triste herança do mandato de Paula Teixeira da Cruz no Ministério da Justiça — só serviria para descredibilizar o nosso sistema de previdência, laboriosamente construído com o esforço de tantas gerações de advogados. Está à vista que grande parte dos colegas só com enorme sacrifício conseguirá suportar a brutal elevação de contribuições que este novo regime instituiu e que vai continuar a subir nos próximos anos. Uma medida de elementar prudência seria por isso regressar rapidamente ao regime anterior, muito mais justo e equilibrado.

terça-feira, 11 de julho de 2017

Pela recuperação do mercado de arrendamento.


Depois dos últimos disparates que foram feitos, com consequências calamitosas para o sector, é altura de tomar medidas para salvar o mercado de arrendamento tradicional. São estas as que propomos.

segunda-feira, 10 de julho de 2017

A situação da CPAS.

Sempre achei que o novo regulamento da CPAS iria destruir completamente a confiança que os advogados têm na sua Caixa de Previdência. É o que neste momento está a acontecer. Mais uma triste herança do consulado de Paula Teixeira da Cruz em que alguns aprendizes de feiticeiro alinharam. A primeira medida a tomar, antes mesmos destas reuniões inconsequentes, era revogar rapidamente o actual regulamento e repristinar o anterior. Enquanto ainda for possível salvar a Caixa.

sexta-feira, 30 de junho de 2017

Como o Diário da República é verde!

Acabei de reparar na magnífica cor verde do Diário da República de 12 de junho de 2017, a qual é explicada assim: "Nos termos do Despacho n.º 5166/2017, de 9 de Junho, este Diário da República, publicado em cor verde, destina-se a assinalar as deliberações tomadas pelo Conselho de Ministros relativos às florestas, realizado a 21 de março de 2017". Descontando a piroseira da iniciativa, cabe perguntar como é que tão pouco tempo depois desse Conselho de Ministros dedicado às florestas, afinal ocorreu a tragédia de Pedrogão Grande. Acho que ficaria melhor que, em consequência dos incêndios, a cor do referido Diário da República fosse rapidamente alterada para preto. Quanto mais não seja em virtude da vergonha que tudo isto representa.